quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Inquérito de operação da PF deve ser concluído em até 20 dias, diz ministro

 

José Eduardo Cardozo disse que mais pessoas podem ser indiciadas.
Investigação da PF desvendou suposto esquema de venda de pareceres.

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmou nesta quarta-feira (5) que o inquérito da Polícia Federal referente à Operação Porto Seguro deve estar concluído em duas ou três semanas. Cardozo presta esclarecimentos sobre a operação na tarde desta quarta, em audiência na Comissão de Constituição e Justiça do Senado.
"Neste momento, o inquérito está analisando o material apreendido. Espera-se que de 15 a 20 dias este inquérito deva ser concluído", disse Cardozo.
Arte quem é quem operação Porto Seguro (Foto: Editoria de Arte / G1)
A Polícia Federal indiciou 18 pessoas na operação, que investigou suposto esquema de venda de pareceres técnicos do governo em favor de empresas privadas. Entre os suspeitos de participação no esquema estão a ex-chefe do escritório da Presidência em São Paulo Rosemary Noronha, o ex-advogado-geral adjunto José Weber Holanda, o ex-diretor da Agência Nacional de Águas Paulo Vieira, e o ex-diretor da Agência Nacional de Aviação Civil Rubens Vieira.
Segundo ele, até o final do inquérito, mais pessoas podem ser indiciadas. "Foram feitos indiciamentos, de diversas pessoas, e estes indiciamentos foram feitos com bases no crime. Até o fim [do inquérito], poderão habver novos indiciamentos", disse, sem citar nomes.
O ministro afirmou que quando há operações que investigam membros de governos da oposição, ele é acusado de "instrumentalizar" a PF. Cardozo destacou que no caso da Operação Porto Seguro, por envolver diretores de órgãos públicos do atual governo e ex-funcionária de escritório da Presidência, o Ministério da Justiça foi acusado de "perder o controle da PF". O ministro já havia manifestado essa crítica nesta terça na Câmara dos Deútados.
Além de Cardozo, também presta depoimento no Senado nesta tarde o advogado-geral da União, Luiz Inácio Adams. Entre os indiciados pela Operação, está o ex-advogado-geral adjunto José Weber Holanda.
Após a operação Porto Seguro, a AGU afastou Weber de Hollanda e iniciou um levantamento de todos os atos assinados no período em que ele ocupou cargo de advogado-geral-adjunto, entre 9 de julho de 2010 e 26 de novembro de 2012. O órgão anunciounesta segunda que vai rever 40 despachos assinados pelo ex-funcionário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário