sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Polícia prende suspeito de matar grávida em São Paulo

 

Jovem de 22 anos foi reconhecido por testemunha nesta sexta.
Ele estava foragido e tem duas passagens por roubo.

 
A polícia prendeu um homem de 22 anos suspeito de matar a secretária Daniela Nogueira Oliveira, de 25 anos, que foi baleada na cabeça em uma tentativa de assalto na Zona Sul de São Paulo. Segundo a Polícia Civil, o jovem foi detido nesta sexta-feira (11) por policiais militares em uma favela na região do crime. Chamou a atenção dos PMs a semelhança do preso com o homem que aparece no retrato falado divulgado pela Polícia Civil.
De acordo com o delegado Lawrence Luiz Fernandes Ribeiro, Alex Alcântara de Arruda foi levado ao 37º Distrito Policial, no Campo Limpo, e reconhecido. “A testemunha reconheceu sem sombra de dúvidas. Com base no reconhecimento que ela fez, foi indiciado por latrocínio consumado e foi pedida a prisão temporária dele.” Segundo o Ribeiro, o suspeito se recusou a falar com os policiais.
Ao levantar a ficha criminal do preso, o delegado verificou que Arruda estava foragido de uma penitenciária de Guarulhos, na Grande São Paulo, desde novembro de 2011. O jovem foi condenado duas vezes por roubo.
O delegado acrescentou que, desde a tarde de quinta, quando o retrato foi divulgado, cerca de 30 pessoas parecidas com o retratado foram ouvidas e liberadas.
Agora, a polícia procura outro homem que participou do crime. Quem tiver informações sobre o paradeiro dele pode ligar para o Disque-Denúncia, no número 181. O anonimato é garantido.
Retrato falado de suspeito de atirar em grávida (Foto: Divulgação/SSP)Retrato falado de suspeito de atirar em grávida
(Foto: Divulgação/SSP)
Crime
Daniela, que estava grávida de 9 meses, foi atingida na cabeça na noite de terça-feira (8) após estacionar o carro próximo ao condomínio onde morava, no Campo Limpo.

Levada ao Hospital Municipal do Campo Limpo, deu à luz Gabriela. A menina, que nasceu de uma cesariana de emergência, foi internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) neonatal do centro médico e liberada na quinta. Ela passa bem.
No mesmo dia, Daniela teve a morte cerebral atestada pelos médicos. A família decidiu doar os órgãos dela. Como a vítima era jovem e saudável, puderam ser retirados coração, rins, pulmões e córneas. Pelo menos seis pessoas foram beneficiadas.
O corpo de Daniela foi velado e enterrado nesta sexta, Cemitério e Crematório Parque dos Ipês, em Itapecerica da Serra, na Grande São Paulo. Cerca de cem amigos e familiares compareceram à cerimônia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário