terça-feira, 30 de abril de 2013

PODE MATAR, PODE MATAR ESTAMOS NO BRASIL: Menina baleada ao tentar defender o pai está em estado gravíssimo

 

Crime foi filmado, na porta de pizzaria de Aparecida de Goiânia.
Suspeito se entregou à polícia e alegou ter agido em legítima defesa.

É considerado gravíssimo o estado de saúde da garota de 11 anos que foi baleada ao tentar defender o pai no sábado (27), na Vila Alzira, em Aparecida de Goiânia. Segundo a assessoria de comunicação do Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo), onde ela está internada, a paciente está na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e respira com a ajuda de aparelhos. O crime teria acontecido por causa de uma discussão entre o pai da menina e o funcionário de uma pizzaria.
A vítima e uma irmã abraçaram o pai quando viram a arma apontada para ele. O suspeito então atirou três vezes. Dois disparos atingiram a adolescente, na perna e na cabeça. O atirador ainda tenta se aproximar, mas acaba entrando no carro e fugindo. Toda a ação foi flagrada via celular por um cinegrafista amador.
Nesta segunda-feira (29), o suspeito se apresentou espontaneamente no 4º DP de Aparecida de Goiânia acompanhado de um advogado. Em depoimento, ele confessou que efetuou os disparos, mas alegou que agiu em legítima defesa. 
"Ele disse que o pai das vítimas fez um movimento como se fosse sacar uma arma da cintura. Pelas filmagens, nós já averiguamos que isso não aconteceu", explicou Marcela Orçai, titular da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) e responsável pelas investigações.
Sem se identificar, a irmã da jovem baleada também discordou que tenha havido qualquer tipo de reação e disse que eles pediram apenas que o rapaz não atirasse. "Pedimos para ele abaixar a arma. Ai ele respondeu: 'Vocês não vão sair da frente não ?' Nós não saímos, ficamos abraçadas a ele. Quando penso que não, ele pegou e atirou", recorda.
Imagens mostram suspeito atirando em mulher que tentava defender o pai, em Aparecida de Goiânia (Foto: Reprodução / TV Anhanguera)
Imagens mostram suspeito atirando durante briga
em pizzaria (Foto: Reprodução / TV Anhanguera)
Investigação
A delegada Marcela Orçai informou que já realizou algumas diligências e que alguns comerciantes próximos ao local onde aconteceu o crime já foram intimados a comparecer à delegacia.

Ela explicou por que mesmo confessando o delito, o homem não ficou preso. "Existe uma previsão no Código de Processo Penal em que a apresentação espontânea do suspeito evita o flagrante", esclarece.
No entanto, a delegada assegura que é possível pedir a prisão do suspeito, seja preventiva ou temporária, desde que haja qualquer requisito e estando presente qualquer possibilidade deste pedido.
Orçai não crê que a apresentação de forma voluntária seja um indício de que o suspeito queira colaborar com as investigações. "Acho que essa não é a intenção dele, pois a arma do crime ainda não foi apresentada", diz.
Nascido de novo
Na confusão, dois tiros atingiram o balcão de uma farmácia, sendo que um deles acertou o teclado do computador do estabelecimento. Um dos funcionários do local, que não quis se identificar, disse que a sensação é de ter "nascido de novo".

"A bala passou pertinho de mim aqui e fez uma curva inexplicável. O pessoal veio correndo aqui para dentro e a pessoa que estava armada veio e efetuou outro disparo. Quando ele atirou, a gente saiu correndo lá para dentro, fechou a porta e deitou. O terror que a gente passou só quem passa para saber", lembra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário