domingo, 25 de maio de 2014

Aécio diz que base do governo Dilma é 'onerosa' e que cortaria cargos

Tucano participou do lançamento da pré-candidatura de Ana Amélia no RS.

Em Porto Alegre, Aécio disse que definição sobre vice sairá até convenção.

Aécio Neves está em Porto Alegre para participar do lançamento da pré-candidatura de Ana Amélia Lemos ao governo do RS (Foto: Estêvão Pires/G1)Aécio Neves está em Porto Alegre para participar do lançamento da pré-candidatura de Ana Amélia Lemos ao governo do RS (Foto: Estêvão Pires/G1)
O pré-candidato do PSDB à Presidência da República, senador Aécio Neves, criticou neste sábado (24) o alto número de ministérios no país. De acordo com ele, a máquina pública custa muito ao país e os cargos concedidos a aliados tornam a base do governo Dilma "onerosa".
O tucano esteve em Porto Alegre neste sábado para participar do lançamento da pré-candidatura da senadora Ana Amélia (PP) ao governo do Rio Grande do Sul.
"Vamos restabelecer a racionalidade da máquina pública brasileira. O Brasil só tem menos ministérios do que o Sri Lanka. São pastas de interesses dos aliados. Nunca antes na história do país houve uma base tão ampla como essa. Ela é onerosa, custa muito ao Brasil, não serve para proporcionar avanços", afirmou o pré-candidato em entrevista coletiva concedida na Assembleia Legislativa do RS.
Segundo Neves, seria possível ainda cortar cargos comissionados. Ele defendeu a criação de uma secretaria extraordinária para, em seis meses, elaborar um projeto de simplificação tributária.
O pré-candidato disse que o Bolsa Família está enraizado e consolidado em várias regiões do Brasil. Para Aécio, contudo, a formatação inicial do programa é de autoria do governo do ex-presidente tucano Fernando Henrique Cardoso.
"No governo Lula, o programa era o Fome Zero, que ninguém conseguia entender o que era. Ele abandonou o Fome Zero, unificou os programas sociais. Para nós, o Bolsa Família é o ponto de partida; para o PT, é o ponto de chegada", declarou.
Aécio Neves está em Porto Alegre para participar do lançamento da pré-candidatura de Ana Amélia Lemos ao governo do RS (Foto: Estêvão Pires/G1)Aécio está em Porto Alegre (Foto: Estêvão Pires/G1)
Candidato a vice
Aécio disse esperar que o nome do seu vice-presidente seja definido na convenção do PSDB marcada para 14 de junho.
"Precisamos lançar alguém que recupere o Brasil e firme parceria que não seja ideológica. Precisamos reposicionar o Brasil com as cadeias globais de produção e avançar na qualificação de programas na área social", afirmou o pré-candidato.
'Fantasmas do passado'
O senador comentou ainda sobre a propaganda eleitoral na qual o PT afirma que país não pode deixar que "fantasmas do passado voltem". O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) já determinou duas vezes que o PT não utilize mais a peça.
Para Aécio Neves, o Partido dos Trabalhadores não consegue fazer "debate sério".
“Ao longo dos últimos 15 anos, me especializei em derrotar o PT, ganhando no primeiro turno todos os anos. Vão dizer que sou despreparado e incompetente, mas são acusações que vão ocorrer. Fico muito feliz que o PT não consegue ir para o debate sério, não podemos fazer o jogo de quem quer trazer a campanha para o submundo. Quero mudar o Brasil”, declarou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário