quarta-feira, 4 de junho de 2014

Mulher de publicitário envolvido na morte de zelador em SP é solta


Juiz revogou prisão temporária da advogada Ieda Cristina Martins.
Em vídeo, suspeito pela morte de Jezi Lopes de Souza inocentou a mulher.

A advogada Ieda Cristina Martins, de 42 anos, mulher do publicitário Eduardo Tadeu Pinto Martins, de 47 anos, suspeito da morte do zelador Jezi Lopes de Souza, deixou o 89º DP (Morumbi), beneficiada pela revogação da prisão temporária expedida pelo juiz Rodrigo Tellini, da 2ª Vara do Júri do Fórum de Santana, na Zona Norte de São Paulo. Ela foi solta na noite desta terça-feira (3), informou o advogado do casal, Marcelo Primo.
Eduardo Martins segue preso no 77º DP, em Santa Cecília.
Ieda quando se apresentou à polícia em São Paulo (Foto: Reprodução/TV Globo)Ieda Martins, ao se apresentar à polícia em SP.
(Foto: Reprodução / TV Globo)
Em vídeo obtido pela TV Globo, o publicitário inocenta a mulher pela morte do zelador. Feita logo após a prisão do suspeito na casa onde o corpo estava, em Praia Grande, no litoral de São Paulo, a gravação mostra Eduardo Martins calmo.
Ele disse que Jezi Lopes e ele lutaram depois de uma discussão e que a morte foi acidental (veja vídeo acima). “Ele bateu a quina no batente da porta mesmo, bateu e já caiu nós dois (sic) para dentro do apartamento. Quando ele caiu, eu fechei a porta. Aí fui lá, olhei os sinais vitais dele, se já estava morto."
O publicitário acrescentou que se desesperou. "Peguei, saí na porta, olhei, olhei. Me desesperei. Fui, peguei a mala. Enrolei ele num um cobertor, coloquei dentro da mala. Fiquei sem saber o que fazer. Coloquei inteiro dentro da mala. Não sabia o que fazer."
Inocentou a mulher
Eduardo Martins disse que fez tudo isso sem que sua mulher, a advogada Ieda Cristina, soubesse. "Ela ia chegar, a gente ia fazer o trabalho de escola do meu menino. No domingo, nós saímos e eu falei para ela: 'ó, preciso resolver um problemas'. E aí eu vim para cá [Praia Grande]."
Questionado se tinha levado o corpo em companhia de sua mulher, ele negou. "Voltei sozinho. Depois voltei [para São Paulo], encontrei com ela, nós saímos, fomos jantar. No sábado teve o pessoal da polícia vistoriando lá o apartamento."
Sobre o que havia afirmado aos agentes no momento da vistoria, o publicitário disse que mentiu. "Falei que não tinha acontecido nada. Que eu tinha minhas brigas com ele, mas que não tinha acontecido nada."
O publicitário foi preso em flagrante na segunda-feira (2), quando tentava queimar partes do corpo do zelador, segundo a polícia. Levado para o 13º DP de São Paulo, ele voltou a negar que a mulher dele tenha participação no crime.
O casal teve a prisão temporária decretada. A Secretaria da Segurança Pública (SSP/SP) informou que as autoridades ainda não haviam indiciado Ieda. A polícia ainda apura inicialmente se ela teve participação na ocultação de cadáver.
Segundo o advogado Marcelo Primo, a divulgação do vídeo pode ter ajudado na decisão da Justiça de revogar a prisão temporária. 
publicitário Eduardo Tadeu Pinto Martins, zelador Jezi Lopes de Souza,  (Foto: Marco Ambrosio/Estadão Conteúdo)O publicitário Eduardo Tadeu Pinto Martins.
(Foto: Marco Ambrosio/Estadão Conteúdo)
Câmeras de segurança
O zelador desapareceu no prédio onde trabalhava, na Zona Norte, na sexta-feira (30). A última imagem registrada pelas câmeras de segurança mostram Jezi Lopes saindo com cartas na mão. Outras imagens mostraram Eduardo Martins saindo com malas.
Segundo a polícia e familiares da vítima, ambos brigavam por questões como a entrega de jornais e a divisão de vagas de garagem.
A polícia vai pedir ainda a quebra dos sigilos bancário (para saber de Ieda comprou a mala usada para deixar o corpo com cartão de crédito) e telefônico e o registro das antenas de telefonia celular (para saber onde o aparelho do casal foi usado).
Em depoimento, o suspeito disse que a vítima morreu acidentalmente, ao cair e bater a cabeça no batente de uma porta durante briga. Ele confirmou, porém, que esquartejou e tentou se livrar do corpo. Apesar de sua alegação, Martins será indiciado pelo crime de homicídio triplamente qualificado (motivo torpe, meio cruel e impossibilidade de defesa da vítima).
  •  
Zelador Jezi (Foto: Reprodução / TV Globo)Zelador Jezi Lopes. (Foto: Reprodução / TV Globo)
Arma
A polícia também investiga se uma arma encontrada na casa de Praia Grande foi usada no crime.
A arma tinha manchas de sangue e a polícia apura se a vítima levou uma coronhada.
A defesa do suspeito afirma que seu cliente admite que a arma é dele, mas nega tê-la usado para atacar o zelador.
Segundo o advogado Marcelo Primo, seu cliente sujou as mãos com o sangue de Souza após o acidente e, em seguida, pegou na arma. Este, de acordo com o defensor, é o motivo de a coronha apresentar manchas de sangue.
O publicitário acrescentou que sua mulher não sabia da existência da arma.
"Eduardo me contou que já havia discutido antes com o zelador. E eles só brigaram porque o funcionário ameaçou matar o filho dele. Depois quando ele caiu e morreu, meu cliente se desesperou e não soube mais o que fazer", disse o advogado, sobre o fato de o publicitário ter esquartejado o corpo.
O advogado de Ieda, Roberto Guastelli, afirmou ao Bom Dia São Paulo que ela não sabia que o corpo de Jezi estava em uma mala e em uma sacola retiradas do apartamento pelo publicitário e levadas para o carro. O casal saiu com o veículo depois.
Ela disse ter acreditado que se tratavam de roupas que seriam doadas a uma igreja.
O delegado Egídio Cobo, responsável pela investigação, disse que o publicitário suspeito de cometer o crime é “maquiavélico”. Segundo ele, vítima e suspeito brigavam por banalidades como a entrega do jornal e vagas na garagem. “Coisas banais, coisas de condomínio. Nem todos os condôminos aceitam a maneira de administrar”, afirmou o delegado, que é titular do 13º DP, na Casa Verde.
Delegado da Quarta Seccional de São Paulo, Ismael Rodrigues esteve no local do crime e foi um dos primeiros a conversar com o suspeito. A investigação aponta que, após o zelador morrer, Eduardo Martins colocou o corpo dele em uma mala e fugiu para Praia Grande, no litoral paulista. "No domingo, passou a cortar a vítima com um serrote", afirmou Rodrigues.
Ao chegar à casa em Praia Grande, policiais encontraram pedaços do corpo espalhados em sacos plásticos. Outros ele tentou queimar e alguns, enterrar. “Ao redor da churrasqueira tinha alguma coisa queimando, baldes, serrote”, afirmou o delegado Egídio Cobo. "Ele é habilidoso, maquiavélico."
Zelador momentos antes de desaparecer (Foto: Reprodução/TV Globo)Zelador momentos antes de desaparecer (Foto:
Reprodução/TV Globo)
Imagens do desaparecido
Jezi foi visto pela última vez às 15h35 de sexta saindo do elevador do edifício residencial onde trabalhava, na Rua Zanzibar, bairro da Casa Verde.
Suspeito levou saco e mala no elevador (Foto: Reprodução/TV Globo)Suspeito levou saco e mala no elevador (Foto:
Reprodução/TV Globo)
Imagens de câmeras de segurança do condomínio, exibidas nesta segunda pelo Bom Dia São Paulo, mostram o momento em que ele deixa o elevador num dos andares levando cartas que seriam entregues aos moradores.
Depois disso, o circuito interno não mostra mais Jezi retornando ao elevador.
Outras 15 câmeras também não registraram a passagem dele pelas escadas.
Todos os equipamentos funcionam 24 horas por dia gravando quem entra e sai do prédio.
Ao todo, o edifício tem 22 andares. Só na frente do imóvel, há três câmeras, e em nenhum momento os equipamentos registraram o zelador deixando o local.
Suspeito levou saco e mala em carro (Foto: Reprodução/TV Globo)Suspeito levou saco e mala em carro (Foto:
Reprodução/TV Globo)
De acordo com o registro policial, a filha de Jezi relatou que um dos moradores tinha “problemas de relacionamento” com seu pai. 
Ela também informou que uma moradora lhe contou ter “ouvido gritos de discussão, pedindo para parar, e ao olhar pelo olho mágico do apartamento teria visto o morador [o publicitário] (...) fechando a porta".
Esse episódio ocorreu em horário compatível com a última vez que o zelador foi visto deixando o elevador.
Imagens de moradores
Sheyla, o namorado dela e um policial militar, que vasculharam o prédio em busca do zelador, também informaram que, por volta das 17h50 de sexta, as câmeras do prédio gravaram o publicitário entrando no elevador “arrastando uma mala escura e carregando um saco, ambos de grande porte, que demonstraram estarem bem pesados, levando-se em consideração a dificuldade (...) ao arrastá-los”.
Em seguida, as testemunhas relataram que o morador desceu até a garagem e, pelas imagens, a mulher dele o ajudou a colocar a bagagem e o saco no carro do casal. Os dois moradores saíram com o veículo e retornaram, mas o horário não foi informado no boletim. Esse vídeo não foi divulgado.
Sábado
Depois, no sábado, quando a família registrou o desaparecimento de Jezi, policiais militares foram até a residência do casal de moradores do prédio, onde o homem contou que “já havia discutido diversas vezes com Jezi, mas que ontem [sexta-feira] nada havia acontecido”.
Os policiais vasculharam o local e encontraram mala e sacos similares aos exibidos pela gravação do prédio, mas verificaram que dentro deles havia roupas e tênis. Depois, desceram com a mulher até o estacionamento e verificaram que dentro do automóvel do casal estava uma mala parecida com as da filmagem. Dentro delas, porém, só tinham roupas.
Indagado pelos policiais, o casal disse que tinha saído para levar as roupas para uma igreja, mas retornaram porque ela estava fechada no dia. Os policiais informaram no boletim que “não visualizaram nenhum sinal de violência no apartamento do casal ou no veículo”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário