Regivaldo Alves
CÂMARA DE JOÃO LISBOA – Vereadores aprovaram na segunda-feira (02) o Projeto de Lei nº 006|2014, que dispunha sobre o reajuste salarial dos servidores do Magistério. O Projeto foi aprovado em sua íntegra, pelo presidente Francimar, e os vereadores Evaldo Seledor, Val da Saúde, Arcanjo Lima, João Filho, as vereadoras Val Mota e Maria do Sindicato. Com exceção do vereador João Menezes.
Segundo informação do vereador Evaldo Seledor que participou da assembleia realizada entre a classe e o poder executivo. “Prevaleceu o espírito conciliatório entre o Sindicato e a Prefeitura. Permitindo a realização do reajuste, no limite da responsabilidade financeira e orçamentária do município”.
Foi aprovado também um aumento no valor do vale-alimentação, que passará dos atuais R$ 122,00 para 130,00. E concessão de gratificação pelas horas excedentes realizadas pelos professores da rede pública, até a próxima data base da categoria, em razão da implementação da lei federal 11.738|2008, conhecida como Lei do Piso, que determinou a redução da carga horária em 1|3, para atividades extraclasse, permanecendo somente 2|3, para interação com o aluno.
Houve um pequeno debate entre o vereador Evaldo Seledor e João Menezes, no tocante a necessidade do pedido de dispensa das Comissões. Devido à solicitação do Executivo para que o Projeto fosse apreciado em regime de urgência especial.
Já o vereador João Menezes, enfatizou que era contra a dispensa das comissões para apreciação do referido projeto. Segundo ele, é um tema que deveria ser mais debatido pela Casa. “Alguns professores lhe questionaram através de whatsapp, o aumento que consta no projeto. Pois o valor apresentado não corrigiu sequer a inflação”.
Para Evaldo, não havia necessidade de analise das comissões, até por ser um tema já conhecido pelo Legislativo, e após a realização de três rodadas de negociações entre a categoria pleiteava e o Executivo. “Devido essa demora em um acordo, vejo como salutar a dispensa das Comissões. Tendo em vista que o Sindicato e o Executivo já chegaram a um acordo”.
Ausências justificadas na sessão dos vereadores Junior Holanda, Roni Marcelino e Nego da Edna.