terça-feira, 19 de agosto de 2014

Entrevista com Dilma acende holofotes sobre Bonner



 
Como diria um veterano político, nunca antes na história deste país William Bonner gerou tantos comentários nas redes sociais — elogios, críticas, ironias, hashtags — como na noite de segunda-feira (18), quando ele e Patrícia Poeta entrevistaram a presidente Dilma Rousseff no ‘Jornal Nacional’.
 
Durante os 15 minutos e 52 segundos de duração da conversa, o apresentador interrompeu a candidata do PT à releição 21 vezes. Nos 18 anos como âncora do principal telejornal da Globo, e o de maior audiência do país, Bonner jamais foi tão incisivo com um entrevistado.
 
Já na primeira pergunta, o jornalista repetiu 7 vezes a palavra ‘corrupção’ para questionar Dilma sobre os escândalos envolvendo seus ministérios. O embate entre ele, sempre insatisfeito com as respostas, e a presidente durou 7 minutos e 15 segundos.
 
Só depois disso Patrícia Poeta, até então espectadora do ‘duelo’, fez sua primeira pergunta, mudando o assunto da pauta para saúde. Porém logo Bonner e Dilma voltaram a se enfrentar. O apresentador fez 5 intervenções tentando interromper a presidente para enfim lançar o terceiro tema: economia.
 
Faltavam pouco mais de 3 minutos para o fim da entrevista quando ele conseguiu finalmente questionar a candidata sobre inflação, superávit, expectativa de crescimento e responsabilidade sobre os números da economia.
 
Seguiu-se um novo round entre Bonner e Dilma, com o apresentador questionando cada frase da presidente. Aos 14:35 a candidata foi interrompida: “Nosso tempo está acabando”, avisou Bonner. “Acabou?”, reagiu a petista.
 
Mesmo com o tempo quase estourado, o apresentador e editor-chefe do ‘JN’ informou que iria garantir a Dilma o espaço de 1 minuto e meio concedido a todos os presidenciáveis para as considerações finais.
 
Perto dos 15 minutos e 30 segundos, Bonner e Poeta tentaram fazer a presidente encerrar sua mensagem. Mas ela ainda falou por mais 20 segundos.
 
Na despedida, Dilma Rousseff emitiu uma frase de impacto: “Eu acredito no Brasil. Acho que, mais do que nunca, todos nós precisamos acreditar no Brasil”.
 
Lembrou a declaração — posteriormente transformada em um quase mantra — do então candidato do PSB à Presidência, Eduardo Campos, na entrevista concedida na terça-feira (12).
 
Menos de quatorze horas antes de morrer no acidente aéreo em Santos (SP), o ex-governador pernambucano convocou: “Não vamos desistir do Brasil”.
 
Apesar do tom enérgico adotado por William Bonner, e das interrupções de sua fala que ela raramente admite no dia a dia, a presidente Dilma Rousseff manteve a calma.
 
Ao retrucar, não soltou nenhum “meu filho” nem “milha filha”, o que costuma fazer quando está prestes a perder a paciência com os interlocutores, especialmente repórteres.
 
Foi a entrevista mais contundente das três realizadas até aqui. Além de Dilma e Campos, o ‘JN’ sabatinou Aécio Neves, candidato do PSDB, na segunda-feira (11).
 
No último fim de semana, William Bonner retuitou uma mensagem que explica sua postura na série do ‘Jornal Nacional’ com os candidatos à Presidência: “Jornalista que não é incisivo com o entrevistado vira assessor de imprensa”.
 
Falou o ‘tio’ do Twitter, como ele se refere a si mesmo no microblog.

Nenhum comentário:

Postar um comentário