sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Mercado abraçou Marina? Os números mostram que sim


Para o mercado, Marina ainda é uma incógnita em alguns pontos, mas a percepção inicial é de que traz uma equipe econômica gabaritada, diz Empiricus 

José Cruz/ABr
Marina Silva assina ficha de filiação ao PSB
A expressiva alta de 7,8% das ações da Petrobras na máxima desta sexta-feira mostra que o mercado intensificou a precificação de um novo cenário político no Brasil
São Paulo – Do café da manhã ao happy hour dos analistas de mercado, a principal pauta desta sexta-feira foi Marina Silva. O mercado começa a cogitar a possibilidade de um intenso segundo turno caso Marina oficialize sua candidatura à presidência.
“Para o mercado, Marina é uma incógnita em alguns pontos, mas a percepção inicial é de que traz uma equipe econômica gabaritada e seus conselheiros estão mais à direita do que a situação”, afirma o relatório da Empiricus Research.
Marina tem defendido ultimamente a aplicação efetiva do tripé econômico (câmbio flutuante, metas fiscais e metas mais rígidas de inflação) e, com isso, tem ganhado pontos com os investidores. 
A expressiva alta de 7,8% das ações da Petrobras na máxima desta sexta-feira mostra que o mercado intensificou a precificação de um novo cenário político no Brasil. O Ibovespa chegava a avançar 2%, encostando nos 57 mil pontos.
“Marina sempre obteve destaque em pesquisas de voto espontâneo e pode, sim, mexer bastante com a bolsa brasileira no curto prazo caso a oposição entre forte na disputa eleitoral. Num cenário no qual a oposição ganhe as eleições, o Ibovespa poderia atingir os 70 mil pontos, uma alta de 23% em relação ao patamar atual”, afirma a Empiricus. 
O economista-chefe da Gradual Investimentos, André Perfeito, ressalta que ainda é cedo para prognósticos, mas lembra que em uma pesquisa do Datafolha de fevereiro deste ano, quando o PSB ainda não tinha confirmado a candidatura de Eduardo Campos, a presidente Dilma Rousseff tinha 43% das intenções de voto, enquanto Marina Silva tinha 23% e Aécio Neves, 15%.

As empresas mais generosas em dividendos no Brasil

Veja quais foram as companhias que mais renderam ganhos aos seus acionistas por meio de dividendos nos últimos 12 meses, segundo levantamento da Economatica

Quem paga mais ao acionista
Marcos Santos/usp imagens

Nenhum comentário:

Postar um comentário