terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Higuaín brilha, Rafael garante nos pênaltis, e Napoli leva a Supercopa


Argentino marca duas vezes, a segunda a dois minutos do fim da prorrogação, e ainda faz sua parte nas penalidades. Ex-Santos salva cobranças de Chiellini e Padoin

Carlitos Tevez caminhava para ser mais uma vez o herói de uma conquista do Juventus. Até que Gonzalo Higuaín “roubou” a cena com um gol a dois minutos do fim da prorrogação. Ele se garantiu nas penalidades e abriu espaço para Rafael brilhar e se tornar o grande nome do título do Napoli na Supercopa da Itália. O goleiro brasileiro ex-Santos defendeu as cobranças de Chiellini e Padoin e viu o seu time vencer por 6 a 5 após empate por 2 a 2 nos 120 minutos, nesta segunda-feira.
Este é o segundo título do Napoli na Supercopa, desta vez disputada no Estádio Jassim Bin Hamad, em Doha, no Catar, por motivos comerciais - Diego Maradona e companhia faturaram em 1990, curiosamente também sobre a Velha Senhora, detentora de seis canecos ao lado do Milan. A decisão aconteceria inicialmente em agosto, mas o confronto dos napolitanos diante do Athletic Bilbao antes da fase de grupos da Liga dos Campeões impediu a realização na época.

Além de perder a condição de herói, Tevez terminou como um dos vilões ao desperdiçar o seu pênalti, carimbando a trave na primeira cobrança. Além de Chiellini e Padoin, o também argentino Roberto Pereyra foi outro a perder, chutando por cima do gol de Rafael (Vidal, Pogba, Marchisio e Morata marcaram). No Napoli, Jorginho, Mertens e Callejón pararam em Buffon (Ghoulam, Albiol, Inler, Higuaín, Gargano e Koulibaly balançaram as redes).
Sheikh Abdullah e Marek Hamsik, taça Napoli (Foto: AFP)Sheikh Abdullah dá a taça da Supercopa da Itália ao capitão Marek Hamsik (Foto: AFP)
ARGENTINOS PROTAGONISTAS

Foi um jogo intenso, de reviravoltas. O Juventus começou se aproveitando de uma trapalhada conjunta da defesa do Napoli e logo abriu o placar, aos quatro minutos, com um mortal Carlitos Tevez. O argentino era quem mais gerava perigo à meta de Rafael, finalizando de onde podia. O problema é que seus companheiros não estavam numa noite tão inspirada.
Rafael Cabral, goleiro Napoli (Foto: AP)Rafael foi um dos heróis do Napoli (Foto: AP)
Após um começo inquieto, o Napoli cresceu e também martelou. Hamsik e Higuaín acertaram a trave, Callejón também falhou na hora H. O placar poderia ser considerado injusto tamanho volume de jogo dos napolitanos. Deixou de ser quando Higuaín completou cruzamento de De Guzmán, aos 23 do segundo tempo, e empatou.
O gol afetou os dois times. O nervosismo já era perceptível, até mesmo jogadores como Vidal e Pogba erravam lances bobos. O francês, porém, tirou da cartola um lindo drible e serviu Tevez, no início do segundo tempo da prorrogação. O argentino ainda deixou a bola passar entre as pernas até chutar no canto direito de Rafael.
Estava à frente novamente o Juventus. Faltou perna para conseguir segurar o resultado. O Napoli se mandou para o ataque e, depois de insistir, enfim conseguiu vencer Buffon, aos 13 minutos. Higuaín concluiu caído. Na comemoração, fez um gesto obsceno, indicando ter coragem para encarar tamanha pressão. Entre tantas falhas e acertos nos pênaltis, foi o que sobrou ao Napoli e faltou ao Juventus.
Higuain  gol Napoli x Juventus (Foto: AFP)Higuaín marcou os gols do Napoli no tempo normal e prorrogação e viu Rafael brilhar nos pênaltis (Foto: AFP)

Nenhum comentário:

Postar um comentário