sábado, 27 de dezembro de 2014

Malcom quer aumento de 900% e cláusula de saída para renovar no Corinthians



VEJA TAMBÉM

O Corinthians tem tratativas avançadas para selar a renovação de contrato do atacante Malcom. Atualmente válido até maio de 2016, o vínculo seria ampliado até 2018. Há dois pontos em especial que estão em discussão.
A pedida salarial do estafe de Malcom, 17 anos, é o primeiro deles. A direção corintiana ouviu a solicitação de um reajuste de 900%: atualmente, o atacante recebe entre R$ 9 mil e R$ 10 mil por mês. No novo vínculo, quer um salário de R$ 100 mil. A direção do clube entende que os valores atuais estão defasados e aceita pagar um pouco mais.
O segundo ponto é o mais polêmico. Os empresários de Malcom querem que o clube se comprometa no contrato a liberá-lo em caso de oferta de 13 milhões de euros (R$ 42 milhões). Hoje, a multa rescisória é de 15 milhões de euros (R$ 45 milhões), mas não há nenhuma cláusula de saída.
Como Malcom receberá um aumento salarial, a multa rescisória também seria elevada, o que em tese deixaria o clube protegido do assédio de outras equipes. Com essa cláusula de saída por 13 milhões de euros, porém, os agentes teriam mais força para ir ao mercado atrás de times do exterior. Eles acreditam em ofertas desse porte por Malcom no meio de 2015.
Ao longo desse ano, dois acordos realizados levaram a participação do Corinthians nos direitos do jogador a apenas 30%. O restante é dividido entre três empresas: uma do investidor Fernando Garcia, outra do agente Nílson Moura e outra dos também agentes Guilherme Miranda e Thiago Ferro.
Em abril, Fernando Garcia trocou dívida antiga de R$ 2,8 milhões por 30% dos direitos econômicos dos jovens Matheus Pereira, Guilherme Arana e também Malcom. A parte referente a este último foi calculada em aproximadamente R$ 1 milhão. Já na cláusula de saída exigida pelos agentes, os mesmos 30% de Malcom valeriam hoje R$ 12,6 milhões. 
Ampliar

Malcom, meia do Corinthians6 fotos

4 / 6
Malcom divide com Gabriel em clássico entre Corinthians e Santos Ricardo Nogueira/Folhapress

Nenhum comentário:

Postar um comentário