terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Documentário sobre Cientologia revela que Tom Cruise grampeou Nicole Kidman


Filme, exibido neste domingo no Festival de Sundance, expõe podres da religião que atrai estrelas de Hollywood

Pré-estreia com tapete vermelho do filme “Oblivion” com Tom Cruise no Cine Odeon BR, no Rio de Janeiro
Pré-estreia com tapete vermelho do filme “Oblivion” com Tom Cruise no Cine Odeon BR, no Rio de Janeiro(AgNews/VEJA)
O documentário Going Clear: Scientology and the Prison of Belief (Esclarecendo: A Cientologia e a Prisão da Fé, em tradução direta), de Alex Gibney, vencedor do Oscar por Um Táxi para a Escuridão (2007), estreou no Festival de Sundance no último domingo, em uma sala lotada. E não demorou para que as interjeições de espanto que pontuaram a sessão fossem ouvidas também do lado de fora do cinema. O filme, baseado no livro homônimo do jornalista Lawrence Wright, reúne entrevistas com ex-membros da religião, alguns ex-ocupantes de altos postos, que afirmam que a Cientologia manipula, intimida e chega a torturar seus integrantes.

O filme também revela podres de membros famosos da seita, como a história de que Tom Cruise grampeou Nicole Kidman, com quem foi casado antes de se juntar a Katie Holmes, que o deixou com medo do que a Cientologia pudesse fazer à cabeça do filho do casal, ainda uma criança.
A Cientologia é um conjunto de crenças e práticas criada pelo americano L. Ron Hubbard, em 1954, que foi militar e autor de livros de ficção científica. Entre os principais objetivos da entidade, estão criar um mundo sem guerras e sem insanidade. O filme traça a história da religião e do seu fundador, além do seu sucessor, David Miscavige.

A produção não foi bem aceita pela religião, que espalhou anúncios nos jornais The New York Times e The Los Angeles Times e promoveu uma série de tuítes, dizendo que o longa se baseia em pronunciamentos de fontes que não merecem confiança e que o documentário seria feito de mentiras.
Não são poucas as controvérsias e ideias excêntricas atreladas à Cientologia. O site da revistaThe Hollywood Reporter listou cinco tópicos que repercutiram com a exibição do documentário em Sundance. Confira:

Os podres da Cientologia

1 de 5

Tom Cruise grampeou Nicole Kidman

De acordo com o filme, os membros da cientologia não aprovavam o casamento do ator, o membro mais popular da religião, com a australiana. Isso porque o pai de Nicole era psicólogo, o que faz dele um inimigo na visão da Igreja. Durante o casamento, Cruise se distanciou da Cientologia, e a seita não mediu esforços para atraí-lo de volta e acabar com o seu casamento. Supostamente a pedido do ator, a Igreja contratou um detetive particular para vigiar os telefones de Nicole Kidman. A entidade também trabalhou para criar uma intriga entre as crianças do casal e a mãe, considerada por eles uma “pessoa supressiva”. Segundo o conceito da religião, as pessoas supressivas impedem o desenvolvimento e avanço do grupo e tendem a ter uma personalidade desastrosa.

Entenda a cientologia

1 de 6

Autodefinição

A cientologia se define como uma religião que prega o uso do poder da mente para driblar sofrimentos da vida moderna, como o estresse, a ansiedade, a agressividade e o pessimismo. A prática é baseada na teoria Dianética, criada pelo pelo fundador da cientologia, o escritor de ficção científica L. Ron Hubbard, em 1954. A seita acredita que o homem é um ser imortal que passa por diversas experiências até atingir a iluminação. Críticos da cientologia a definem como uma organização que vende serviços de autoajuda e livros sob a fachada de religião. 

Famosos que seguem a cientologia - ou que fugiram dela

1 de 8

Tom Cruise - Tô dentro

O ator é um dos seguidores mais famosos da seita. Ele se tornou membro em 1986 por influência de sua primeira mulher, a atriz Mimi Rodgers, filha de Phil Spickler, um dos mais altos integrantes da Igreja na época. Separado de Mimi, Cruise levou a segunda mulher, a atriz Nicole Kidman, para o convívio com outros cientologistas. O mesmo aconteceu com Katie Holmes, que pediu o divórcio no fim de junho e exigiu a guarda da filha Suri, de 6 anos, para tentar mantê-la longe da doutrina.

Nenhum comentário:

Postar um comentário