terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Trinta municípios do Maranhão recebem plano de emergência


Combate ao analfabetismo, políticas de promoção de melhorias de renda e saúde e construção de moradias dignas, foram algumas das propostas anunciadas para melhorar o IDHM dos municípios



Governador do Maranhão, Flávio Dino, reuniu, na tarde de ontem cerca de 30 representantes de prefeituras municipais com os mais baixos IDHM’s (Índices de Desenvolvimento Humano Municipais) do estado. Ente os representantes estavam prefeitos e secretários municipais. O objetivo do encontro foi para lançar o plano emergencial da melhoria dos indicadores sociais das cidades com os piores índices.


A reunião dispensou partidarização das ações. Dos 30 municípios presentes, apenas um teve gestor que fez campanha para Dino. O governador comentou que a corrente política não influenciará as ações administrativas de governo. “Eu nem lembro mais quais foram os prefeitos que me apoiaram ou não (risos). Neste instante não é essa a questão que conta, evidente que temos aliados, que prestigiamos, mas no que se refere à ações administrativas, o governador não leva isso em conta, levamos em conta a situação de cada um dos municípios. Por isso convidamos todos, independente de vinculação e partido”, assegurou.

Entre as ações apresentadas, Flávio Dino apresentou aos representantes dos municípios ações de imediata execução. “Nós temos ações emergenciais, que serão desempenhadas ainda este ano, relativas a todos aqueles campos que compõem o IDH, em especial educação, saúde e renda. Estamos apresentando hoje a nossa proposta, que são ações imediatas, como por exemplo, o combate ao analfabetismo, que nós podemos e devemos começar imediatamente. Ações relativas à habitação rural, as famosas casas de taipa, nós podemos e vamos começar imediatamente, substituição das escolas precárias, vamos substituí-las imediatamente, também”, garantiu.

Para medir as ações, o governador afirmou que toda a equipe técnica irá elaborar um indicativo social próprio, para que o governo tenha uma mensuração real dos resultados. “Estamos propondo que em cada município seja construído um Comitê, o Mais IDH Municipal, para tratar das ações estruturantes de médio e longo prazo. Precisamos ter indicadores confiáveis para que os setores sociais possam acompanhar as ações do Pode Público, constantemente. A primeira parte que já estamos implementando é a da construção de indicadores sociais para que já em 2016 para demonstrar que já melhoramos”, revelou.

O secretário de Direitos Humanos e Participação Popular, Francisco Gonçalves, ressaltou a importância da ação governamental para reverter o desequilíbrio entre a elevação do Produto Interno Bruto (PIB) e a pobreza da população. “Nós temos um estado que cresceu o PIB e uma população que continua pobre. Estamos entre os menores IDH’s do Brasil. Para superar isso é preciso repensar a matriz de desenvolvimento do estado e elaborar um conjunto de ações iniciais e estruturantes nos municípios de menor IDH e só será possível em um esforço conjunto”, avaliou.

Entre as ações, Francisco Gonçalves destacou algumas, de competência de sua pasta, que são primordiais para que o projeto seja iniciado. “São ações que irão ser iniciadas nos próximos três meses, que têm caráter estruturante e emergencial, como documentar a população, pois se a população não tiver documentada, ela não terá acesso às oportunidades, direitos e benefícios. Nas próximas semanas, os Caminhões da Casa do Cidadão, os antigos Vivas, irão para todos os 10 municípios de menor IDH e fazer um grande mutirão”, afirmou.

Um dos apoiadores da ideia, também responsável pela mobilização direta com os municípios maranhenses, presidente da federação dos Municípios Maranhenses (Famem) e prefeito de São José de Ribamar, Gil Cutrim, elogiou a iniciativa e disse que a Federação defenderá os interesses dos municípios. “Aproveito para destacar e ressaltar a iniciativa do Governo do Estado, no seu primeiro mês de nova gestão, já demonstrando uma gestão participativa. Enquanto parte da Famem, estamos aqui defendendo os interesses dos municípios, em especial esses 30 municípios, com menor índice de desenvolvimento humano e social. Não existe estado forte se não existir município apoiados e valorizados.”, disse.
 
-->Os 30 municípios que apresentaram os piores IDHM:
 
Fernando Falcão
Marajá do Sena
Jenipapo dos Vieiras
Satubinha
Água Doce do Maranhão
Lagoa Grande do Maranhão
São João do Caru
Santana do Maranhão
Arame
Belágua
Conceição do Lago Açu
Primeira Cruz
Aldeias Altas
Pedro do Rosário
São Raimundo do Doca Bezerra
São Roberto
São João do Sóter
Centro Novo do Maranhão
Itaipava do Grajaú
Santo Amaro do Maranhão
Brejo de Areia
Serrano do Maranhão
Amapá do Maranhão
Araioses
Governador Newton Bello
Cajari
Santa Filomena do Maranhão
Milagres do Maranhão
São Francisco do Maranhão
Afonso Cunha

Nenhum comentário:

Postar um comentário