quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Mesmo após expulsão, postura foi boa e defesa levou poucos sustos


Sheik comemora o gol que abriu caminho para a goleada corintiana (Foto: Ari Ferreira)
Sheik comemora o gol que abriu caminho para a goleada corintiana (Foto: Ari Ferreira)
Mesmo com um a menos desde os 26 minutos do primeiro tempo, o Corinthians foi poucas vezes ameaçado diante do Once Caldas. A linha de quatro defensiva, com Ralf à frente, esteve bem postada durante os 90 minutos. Tite sabe, por experiência, que uma defesa confiável é um bom caminho para ter sucesso na Libertadores (em 2012, levou apenas quatro gols em 14 partidas). Nesta quarta-feira, mesmo com a necessidade de atacar pela vitória, a equipe alvinegra não deu qualquer brecha ao rival.
O “equilíbrio”, expressão corriqueiramente usada pelo gaúcho, foi o grande trunfo. Não houve um ataque desgovernado, nem retranca após o gol logo no início.
O treinador entrou com o esquema 4-1-4-1, com uma marcação pressão na saída de bola dos colombianos. O jogo ficou favorável logo aos 30 segundos de jogo, no chute de Sheik que entrou sem querer. Aos 26 minutos, um descontrole de Guerrero poderia ter prejudicado tudo, mas não prejudicou. O peruano, ironicamente, foi o único que não teve cabeça. Felipe, que não insipirava confiança, segurou a bronca e foi premiado com um gol.
Após a saída do camisa 9, Renato Augusto foi o escolhido para flutuar na frente, ora fazendo as vezes de referência, ora como armador. Como pivô, o camisa 8 serviu na belíssima tabela com Elias, que usou o melhor da sua caracterísitca para chegar na frente do goleiro Cuadrado e fazer 3 a 0 no placar. Já virava goleada…
O Corinthians de Tite, em sua primeira grande prova no ano, mostrou eficiência e frieza Perder o principal jogador e ficar com um a menos tinha tudo para a noite se transformar em tragédia. A expulsão do experiente Fábio Santos, aos 45 minutos do segundo tempo, é de se condenar, tanto quanto a de Guerrero.

Nenhum comentário:

Postar um comentário