domingo, 28 de junho de 2015

Pastoral Carcerária do MA emite carta após Flávio Dino bater boca com padre


 

Entidade chamou o governador de "prepotente" e "descontrolado". Desequilíbrio do comunista ocorreu na sexta-feira (26), no Palácio dos Leões

 

Em Carta Aberta ao governador Flávio Dino, do PCdoB, a Pastoral Carcerária do Maranhão trouxe a público, com detalhes, um fato revelado pelo Atual7 na manhã deste sábado (27): durante reunião do Comitê de Combate à Tortura, nas dependências do Palácio dos Leões, o comunista vociferou contra um padre, após ter sido confrontado sobre os números do sistema de segurança prisional escamoteados em seu governo.

No documento, a Pastoral repudiou "as atitudes prepotentes e descontroladas do governador do Estado", e revelou que "os maus tratos continuavam com a mesma ou até maior intensidade que antes em todas as prisões" do Maranhão. Uma fuga de presos do Complexo Penitenciário de Pedrinhas, escondida pelo Secretaria de Administração Penitenciária, também foi revelada. Segunda a entidade, a fuga teria ocorrido pelo  portão principal da penitenciária de segurança máxima em São Luís.

Em um do trechos, a Pastoral da Terra desafiou Flávio Dino a apresentar "para a sociedade dados objetivos que comprovem o que ele afirma com tanta segurança a respeito da realidade prisional", e o comparou aos gestores que comandaram o Estado sob a tutela do ex-senador José Sarney.

"Quantos novos professores, escolas, defensores públicos, por exemplo, foram contratados no seu governo, e em quais casas de detenção estão atuando. Essas eram algumas das informações que esperávamos dele no embate com o coordenador, em lugar de ‘reagir’ da mesma forma que os seus antecessores quando alguém ensaiava ‘arranhar a sua imagem pública’ com dados e argumentações", pontua a nota.

A entidade diz ainda que continua aberta para debater questões vitais relacionadas ao sistema prisional, mas que não compactua com o "destempero emocional" demonstrado por Flávio Dino durante a reunião, que acabou "colocando em xeque o direito sagrado ao ‘contraditório’ que ele sempre defendeu", e reafirmou que denunciará "toda tentativa de brutalidade e repressão por parte das estruturas do estado e de outros que queiram reduzir a vida de um ser humano que já está pagando seus erros a uma mera ‘peça’ descartável".

Abaixo, a íntegra da Carta Aberta ao governador do Maranhão:

Carta aberta da Pastoral Carcerária do Maranhão ao senhor governador

A Pastoral Carcerária do Maranhão vem através dessa nota repudiar veementemente as atitudes prepotentes e descontroladas do governador do Estado, Flávio Dino, dirigidas ao nosso coordenador estadual durante uma reunião, no dia 26 deste, com diferentes entidades da sociedade civil em que se apresentava a o projeto de lei da criação do Mecanismo Estadual de Prevenção e Combate à Tortura e o Comitê Estadual de Combate à Tortura. Tudo começou quando o senhor governador, surpreendentemente, iniciou a auto-elogiar o seu governo, notadamente, o atual sistema prisional. Afirmou que com o advento da sua administração tudo teria mudado nas penitenciárias e prisões do Estado: os presos têm defensores públicos, há escolas e professores, não há mais maus tratos e nem repressão, não mais  rebeliões e mortes entre presos, e nem tentativas de fugas. Enfim, o que não se fez em décadas de administração pública ele o teria feito em poucos meses.

Diante de tamanha distorção da realidade prisional o coordenador da Pastoral sentiu-se na obrigação moral de fazer observar ao senhor governador que o que ele expunha com tanta convicção não correspondia à objetividade dos fatos. Relatou o coordenador que os maus tratos continuavam com a mesma ou até maior intensidade que antes em todas as prisões do Estado. Observou que já houve várias mortes de presos nesses primeiros meses de governo, sem falar em fugas, algumas notórias, inclusive, pelo portão principal da penitenciária de segurança máxima em São Luís. Acrescentou que o atual secretário de segurança administra de forma personalista a partir do gabinete dele sem que haja diálogo, visita e comunicação efetiva com diretores, presos e entidades da sociedade civil. Diga-se, de passagem, que uma recente visita de uma comissão parlamentar à penitenciária de Pedrinhas confirmou tudo isso. A reação do governador deixou boquiabertos não somente o coordenador da Pastoral carcerária, mas também todos os presentes. Visivelmente alterado respondeu ao coordenador que ele não conhecia a história do Maranhão, que a sua era uma postura política, preconceituosa, que ele não tinha senso crítico. Em tom desafiador desconfiou da experiência e conhecimento de causa do coordenador e o acusou de ignorar os avanços e as mudanças que ocorreram no governo dele no sistema prisional.

Diante do exposto gostaríamos de colocar algumas considerações até como forma de ajudar o executivo estadual a encontrar e aprofundar o rumo do diálogo e da aceitação do contraditório como expressão democrática.

1. Como Pastoral carcerária e como sociedade civil cabe-nos a tarefa de acompanhar e defender a dignidade de toda pessoa, e da pessoa toda, principalmente no que tange a população encarcerada do Estado do Maranhão. Solicitamos do senhor governador que apresente para a sociedade dados objetivos que comprovem o que ele afirma com tanta segurança a respeito da realidade prisional. Quantos novos professores, escolas, defensores públicos, por exemplo, foram contratados no seu governo, e em quais casas de detenção estão atuando. Essas eram algumas das informações que esperávamos dele no embate com o coordenador, em lugar de ‘reagir’ da mesma forma que os seus antecessores quando alguém ensaiava ‘arranhar a sua imagem pública’ com dados e argumentações.

2. Queremos acreditar que o seu destempero emocional exibido na reunião – e que produziu constrangimento generalizado nos presentes, – tenha sido algo circunstancial e não uma expressão do seu ‘modus vivendi’, pois estaria colocando em xeque o direito sagrado ao ‘contraditório’ que ele sempre defendeu. Enfim, que reconheça, de fato, para os seus cidadãos o direito da livre expressão, inclusive o de discordar com o ‘servidor-mor’ do Estado, pois isso é democracia substantiva!

3. Na reunião o senhor governador em duas ocasiões alardeou que iria convocar a Pastoral carcerária para ‘sentar’ e debater questões vitais relacionadas ao sistema prisional. Reiteramos aqui a nossa disponibilidade para não somente sentar com representantes do Estado, mas, principalmente, para visitar, apoiar e defender os presos, – sejam eles quem forem, – e seus inalienáveis direitos. Reafirmamos a nossa disposição em sempre denunciar toda tentativa de brutalidade e repressão por parte das estruturas do estado e de outros que queiram reduzir a vida de um ser humano que já está pagando seus erros a uma mera ‘peça’ descartável.

São Luís, 27 de junho de 2015
Pastoral Carcerária do Maranhão

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário