quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Wellington volta a cobrar esclarecimentos sobre contrato da Prefeitura de São Luís

Na manhã desta quarta-feira (23), o deputado estadual Wellington do Curso (PPS) voltou a utilizar a tribuna da Assembleia Legislativa para cobrar esclarecimentos sobre a denúncia feita por ele na semana passada, na qual questionou sobre a suplementação de uma Secretaria da Prefeitura de São Luís e a realização de um contrato milionário de R$ 33 milhões com o instituto ISEC.
Wellington volta a cobrar esclarecimentos sobre contrato da Prefeitura de São Luís
Ao se pronunciar, o parlamentar apresentou as informações que ele solicitou ao Tribunal de Contas do Estado e à Prefeitura de São Luís inerentes à denúncia, além de questionar a suplementação da Secretaria Municipal Extraordinária de Governança Solidária e Orçamento Participativo.
De acordo com o deputado, a Prefeitura de São Luís tem uma Secretaria Extraordinária que tem dotação orçamentária de 29 mil e, no mês de julho, foi suplementada com a quantia de 33 milhões.
“Uma secretaria que poderia ter sido suplementada no dobro desse dinheiro, em até 60 mil é perfeitamente compreensível, mas suplementar uma secretaria em 33 milhões e o mesmo valor ser destinado, na sua totalidade, ao pagamento de um contrato com o ISEC, causou-me estranheza e também à população de São Luís. Causa estranheza também que o prefeito queira democratizar a gestão às ‘vésperas’ da eleição, inclusive majorando e onerando os cofres da Prefeitura com convênios milionários e nítidos indícios de irregularidades na licitação”, desabafou Wellington.
Na ocasião, o deputado também rebateu as considerações do colega de parlamento, Rafael Leitoa (PDT), que saiu em defesa da gestão municipal de São Luís.
“Quantas vezes for preciso continuaremos trazendo discussões a esta Assembleia para que possamos ter moralidade no serviço público, pois enquanto parlamentar, não posso me eximir da responsabilidade de cobrar, fiscalizar e argumentar contra quaisquer indícios de irregularidades. Afinal, recebi uma procuração de 23 mil maranhenses que confiaram a mim o mandato para que eu pudesse dar voz a essa população, legislar e fiscalizar o Executivo. A burocracia da Administração Pública não pode ser utilizada para mascarar a realidade nem as omissões da Prefeitura”, afirmou o deputado.
Wellington finalizou o discurso afirmando que o atual gestor municipal deveria ter mais transparência e não esbanjar dinheiro público lançando “obra-fantasma” e colocando lápides e placas em locais que não realizarão melhorias, além de “administrar o patrimônio público como se administra interesses privados” e tentar justificar o injustificável.

Nenhum comentário:

Postar um comentário