segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Extradição de Marin será definida em dois dias a custo exorbitante


Segundo "Estado de São Paulo", o futuro do dirigente deve ser decidido em dois dias

José Maria Marin (Foto: Rafael Ribeiro/CBF)
Único dos sete dirigentes da Fifa ainda preso em Zurique, José Maria Marin deve ter seu futuro decidido em breve. Segundo o jornal "Estado de São Paulo", a Justiça suíça vai analisar o caso do ex-presidente da CBF nos próximos dois dias. Está sob análise a extradição do cartola para os Estados Unidos, onde foi iniciada a investigação sobre corrupção e pagamentos de propina dentro da entidade.
E isso deve custar muito caro para Marin. Isso porque ele poderá ter que pagar US$ 38 milhões (R$ 147 milhões) pelo acordo de extradição com a Justiça dos EUA. O dirigente ainda deve ter confiscado um apartamento que possui em Nova Iorque.
Já em solo norte-americano, Marin pode fazer outro acordo com a Justiça do país. Ele poderia pagar US$ 10 milhões (derca R$ 39 milhões) para ficar em liberdade condicional. De início, ele ficaria em prisão domiciliar.
Seis dirigentes já tiveram extradição autorizada para os Estados Unidos. São eles: Jeffrey Webb, ex-presidente da Concacaf; Eduardo Li, ex-presidente da Federação da Costa Rica; Eugenio Figueredo, ex-presidente da Conmebol; Rafael Esquivel, ex-presidente da Federação Venezuelana; Costas Takkas, braço direito de Webb; e Julio Rocha, ex-presidente da Federação de Futebol da Nicarágua.

Nenhum comentário:

Postar um comentário